segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

FEBRE AMARELA NO BRASIL - RISCO REAL COM ALTO ÍNDICE DE MORTALIDADE

ALERTA DA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE


A Organização Mundial da Saúde (OMS) emitiu um ALERTA para o risco de países que fazem fronteira com o Brasil apresentarem casos de febre amarela. 


A maior preocupação veio da ocorrência da doença em animais (total de 1.202 primatas mortos, 259 foram confirmados com febre amarela) nos estados de Roraima, (fronteira com a Venezuela); Mato Grosso do Sul, (fronteira com a Argentina); e estado do Paraná, aí pela proximidade e fronteira com Argentina e Paraguai.

Além das regiões fronteiriças, também foram notificados casos em animais em Tocantins, Goiás, Minas Gerais, Bahia, Espirito Santo, São Paulo, Rio Grande do Norte e Distrito Federal.

O BOLETIM / ALERTA da OMS foi divulgado na última sexta-feira dia 03 de fevereiro.

CASOS NOTIFICADOS E CONFIRMADOS NO BRASIL


Período entre 1º de dezembro de 2016 e 2 de fevereiro de 2017

Notificados 901 casos 

151 foram confirmados

42 descartados 

708 casos suspeitos seguem em investigação. 

O QUE FAZER ?

Segundo a OMS, são necessários esforços para detectar, confirmar e tratar adequada e oportunamente os casos de febre amarela. Ter profissionais de SAÚDE atualizados e capacitados para detectar e tratar os casos é de vital importância. 

Agora, nesse momento, a medida mais importante de prevenção da febre amarela é a vacinação".

MORTALIDADE

Média / índice dos últimos  10 anos - 46% **************************
Equipe Conexão Saúde&Vida

sábado, 3 de dezembro de 2016

PRESIDENTE DA FIOCRUZ DENUNCIA - PEC 55 É AMEAÇA A SAÚDE E CIÊNCIA E TECNOLOGIA

PEC do Teto de Gastos é ameaça a saúde e ciência, diz presidente da Fiocruz

"A PEC traz uma ameaça muito significativa ao campo da saúde pública e da ciência e tecnologia. A população idosa no Brasil vai dobrar nos próximos vinte anos."

Paulo Gadelha

sábado, 10 de setembro de 2016

SUICÍDIO - COMO EVITAR ? BUSQUE AJUDE CASO TENHA PENSAMENTOS SUICÍDAS



10/09/2016 - 11h00
Brasília - 
Aline Leal - Repórter da Agência Brasil

Oferecendo atenção e disponibilidade, o Centro de Valorização da Vida (CVV) recebe mais de um milhão de contatos de pessoas que relatam a vontade de desistir da própria vida. Os motivos para alguém cometer suicídio são diversos, fim de um relacionamento amoroso, as limitações advindas da velhice, e passam também por questões financeiras. No momento em que país vive uma crise e parte da população vive a ameaça da perda do emprego, especialistas apontam que a situação financeira pode ativar pensamentos destrutivos. 

Em agosto, casos de supostos suicídios relacionados ao desemprego em São Paulo e no Rio de Janeiro foram divulgados pela imprensa nacional. Em um deles, um homem de 43 anos matou a esposa e os filhos de 7 anos e 10 anos e depois cometeu suicídio. De acordo com as investigações policiais, ele estaria com problemas no trabalho. 

“Os momentos de maior risco são os três primeiros meses. Depois disso, normalmente a pessoa se adapta, consegue uma solução, e a ideia de suicídio vai embora”, afirma a coordenadora da Comissão de Combate ao Suicídio da Associação Brasileira de Psiquiatria, Alexandrina Meleiro.

A voluntária da CVV, Adriana Rizzo, disse que, desde março, cresceu o número de pessoas relatando problemas financeiros e dificuldades em lidar com a situação.

Ela destaca que em datas comemorativas, como Natal, Páscoa, finados, as pessoas também buscam mais ajuda dos voluntários do centro. “Nessas épocas mais comemorativas, normalmente aumenta a procura. As pessoas se sentem um pouco mais sozinhas, às vezes não têm mais a familia para estar junto, bate mais solidão e muitos pensam em tirar vida nesses momentos”, relatou.

Para Adriana, entre as situações mais marcantes estão as de indivíduos que se sentem sozinhos, apesar de estarem cercados de familiares e amigos.“Muitas vezes ele não quer conversar com quem está próximo por se sentir julgado, ou não ver disponibilidade, interesse. A gente quer oferecer o apoio para que as pessoas que pensam em se matar possam pensar diferente, possam mudar de ideia. Às vezes conversando, elas conseguem achar um caminho, uma saída para a situação em que se encontram”, conta Adriana.

Facebook

Em parceria com o CVV, o Facebook passou a disponibilizar esse ano uma ferramenta que permite ao usuário ajudar amigos que possam mostrar sinais de que estão com pensando na morte como saída para os problemas. “Você pode indicar a pessoa anonimamente se perceber que ela postou algo sobre suicídio, automutilação. Quando alguém faz postagens muito tristes, deixa claro que quer fugir. Nesse momento, pode ser que tudo que ela precise é de alguém para dar um pouco de atenção, que se ofereça para conversar sem julgamentos”.

Na opção “Denunciar”, disponível nos perfis da rede social, a pessoa que estiver preocupada com o amigo pode clicar em “Eu quero ajudar o fulano”. Aparecerão algumas opções de auxílio, como por exemplo, o usuário pode receber uma mensagem dizendo que um amigo está preocupado com suas postagens e com o número do CVV.

O CVV oferece apoio emocional e prevenção do suicídio, atendendo voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo por telefone, email, chat e Skype 24 horas todos os dias. O serviço pode ser encontrado na página do CVV, e em algumas cidades pelo telefone 141.

Edição: Carolina Pimentel

domingo, 19 de junho de 2016

CRISE E DESEMPREGO LOTAM CONSULTÓRIOS DE PSICOLOGIA - OPÇÃO DE TRATAMENTO

SAÚDE FÍSICA E MENTAL


   AS PESSOAS ESTÃO SE SENTIDO SUFOCADAS   

Excelente matéria do Jornal O Dia, traz a informação de que a atual crise econômica e o ambiente hostil do noticiário no Brasil e no Mundo, geram incertezas sobre o presente e o futuro, os medos e a ALTA ANSIEDADE, que estão levando pessoas à procura de atendimento com psicólogos e psiquiatras.

Menos mal que a reação de quem atravessa algum tipo de crise seja a de procurar ajuda. O pior seria o imobilismo de jogar a toalha.

O mundo de hoje oferece uma imensa gama de possibilidades de tratamentos associados. Foi-se o tempo do remédio pura e simplesmente. Uma boa conversa em sessões regulares, acrescidas de técnicas de relaxamento - hipnóse - aurículoterapia - arteterapia...ajudam muito e podem fortalecer a auto-estima e a capacidade do indivíduo se mover na direção da solução dos problemas que o afligem.

   FATOR FINANCEIRO DIFICULTA TRATAMENTO   

Muita gente perdeu seu PLANO DE SAÚDE, encontrar VAGA nas Unidades públicas com psicólogos não é fácil e, de uma forma geral as sessões particulares de terapia tem um custo elevado. 

Com um ORÇAMENTO já apertado ou comprometido, tem quem pense que o tratamento psicológico seja secundário e possa ser adiado. Essa é uma visão que pode dificultar ou mesmo afastar o encontrar de LUZ no fim do túnel. 

E esse (AJUDAR A ENCONTRAR LUZ NO FIM DO TÚNEL) é (simbolicamente) o trabalho do profissional de psicologia que vai lhe atender. Ajudando a "arrumar a casa mental", a priorizar ações, a suportar tensões, a ver (conseguir enxergar) saídas, opções, oportunidades, que a pessoa que atravessa um momento de crise ou sofrimento profundo e agudo, sozinha não conseguirá encontrar.


  OPÇÕES PARA QUEM PRECISA E QUER SE TRATAR  

Existem no entanto, alguns ESPAÇOS TERAPÊUTICOS, que por sua maneira de se organizar, em ambientes simples e aconchegantes, sem uma estrutura administrativa cara, e com profissionais que tem uma visão mais voltada para o trabalho humanizado e individual, levando em conta a análise da capacidade financeira de quem precisa de tratamento, oferecem o mesmo atendimento com qualidade e resolutividade por preços accessíveis.

CONHEÇA AQUI UM DOS ESPAÇOS

LEIA AQUI A MATÉRIA DE O DIA

sábado, 30 de abril de 2016

SAÚDE PÚBLICA E EMERGÊNCIAS DURANTE AS OLIMPÍADAS NO RIO DE JANEIRO - TEMERIDADE !

Cinco hospitais do Rio vão atender os participantes dos Jogos Olímpicos
FALTA DE TUDO UM POUCO EM CADA UM DELES



ESSA É A VERDADE...INFELIZMENTE

EQUIPES MÉDICAS DESFALCADAS NAS PRINCIPAIS ESPECIALIDADES NECESSÁRIAS PARA OS ATENDIMENTOS MAIS FREQUENTES EM GRANDES EVENTOS.

NÃO HÁ NA REDE, NEUROCIRURGIÕES, ORTOPEDISTAS, CLÍNICOS E CIRURGIÕES GERAIS EM QUANTIDADE NECESSÁRIA, NEM MESMO PARA A DEMANDA NORMAL DO DIA A DIA DA CIDADE.

ALGUNS EXAMES NÃO PODEM SER REALIZADOS COM A PRESTEZA NECESSÁRIA. NENHUM DESTES CINCO HOSPITAIS POSSUI APARELHO DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA.

FALTAM LEITOS DE UTI. UM FATO GRAVE QUE OCORRA, E ESTE SEGMENTO PARA INTERNAR PACIENTES CRÍTICOS ENTRARÁ EM COLAPSO.

ATLETAS, SEUS FAMILIARES, JORNALISTAS E TURISTAS EM GERAL, SÃO TODOS MUITO BEM VINDOS AO RIO DE JANEIRO, MAS, POR FAVOR EVITEM ADOECER E SOFRER ACIDENTES.

*********************************************************************
************************************************************************

Cinco hospitais do Rio vão atender os participantes dos Jogos Olímpicos


O plano operacional na área de saúde que será usado durante os Jogos Olímpicos Rio 2016 foi apresentado nesta sexta-feira aos consulados. Os representantes de países estrangeiros estiveram no hospital municipal Souza Aguiar acompanhados do secretário de saúde do município Daniel Soranz que apresentou como tudo vai funcionar.

Vice-cônsul do Reino Unido Patrícia Sartorio disse que as informações são fundamentais principalmente em caso de alguma crise.

De acordo com a prefeitura, cinco hospitais serão referencia para os participantes dos jogos: Miguel Couto, que atenderá principalmente os visitantes nos bairros da zona sul da cidade; Souza Aguiar, no centro; Salgado Filho, no Méier, zona Norte; Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, zona oeste; e Alberto Schweitzer, em Realengo, na Baixada Fluminense.